terça-feira, 21 de outubro de 2008

A ilha de Pedro da Silveira

Porque me falta o mar da ilha e os murmúrios das ganhoas
deixo aqui as palavras do mestre Pedro da Silveira,
poeta florentino que tão bem soube descortinar a alma açoriana.




«ILHA

Só isto:
O céu fechado, uma ganhoa
pairando. Mar. E um barco na distância:
olhos de fome a adivinhar-lhe à proa
Califórnias perdidas de abundância.»

Pedro da Silveira, A Ilha e o mundo (1952)/
in fui ao mar buscar laranjas - Livro 1


@GCabaça/ ImagDOP

4 comentários:

geocrusoe disse...

poema curto, forte e retrato de uma época

Maria das Mercês disse...

Um dos meus favoritos de sempre. Boa escolha!
MM

Jose Augusto Soares disse...

OBrigado pela visita ao "Castelete Sempre".

Mestre Pedro da Silveira também lá figura.

MARCA DE ÁGUA disse...

Olá!

Muito obrigada pela visita, fiquei curiosa e vim visitar o seu blog. São poucos os blogs puramente açorianos. Este fez-me regressar às raízes e aumentou as saudades dos ilhéus. Fascinaram-me especialmente os posts sobre poesia, ou não fosse eu uma assumida viciada nessa arte. Aprendi muito e vou voltar com certeza!

Obrigado

Sónia