quarta-feira, 31 de março de 2010

Está quase na hora da CALF ir apanhar o barco...

A partir de hoje haverá menos 178 produtores de leite nos Açores, o que equivale ao resgate de quase 10 milhões de litros de quota e a uma compensação de 4 milhões de euros pagos pelo Governo. Sabemos que a quota agora resgatada vai para a reserva nacional, para depois ser redistribuída na região, de preferência na ilha onde foi gerada. Tudo muito certo e bonitinho, como dizem as notícias, não fossem os pormenores da indústria local e as circunstâncias particulares de cada ilha.

Vejamos o caso do Faial, uma ilha que há muito se debate com a falta de leite e que agora vai perder mais 20 produtores locais. Dos mais de 800 produtores que a ilha tinha em 1990, sobram apenas 150. Mas não se pense que a sua produção aumentou, fruto da redistribuição da quota resgatada. Pelo contrário, entre as ilhas produtoras de leite, o Faial é a única que não aumentou a sua produção desde a introdução das quotas leiteiras.

Há muito que se grita aos sete ventos a necessidade de aumentar a produção local, sobe pena de estrangulamento da sua indústria, mas os gritos têm caído em saco roto. Apesar do queijo Ilha Azul ter fama e qualidade reconhecida fora de portas, sem leite não há forma de haver retorno para o muito dinheiro investido na modernização das suas instalações.

A CALF segue numa crise sem fim à vista. Trocou-se o leite pela carne sem pensar nas consequências. E os 150 pequenos produtores que restam não chegam para satisfazer as necessidades da fábrica de lactícinios local, que precisa de 14 milhões de litros por ano para ser rentável. Do outro lado do canal, a situação não está melhor. Também o leite foi cedendo o seu lugar à carne, sem que a reconversão da agricultura tivesse sido feita de forma integrada. O leite quando falta, parece que é para todos.

E agora, pergunta o leitor, como vai o Faial sair desta? É fácil: fecha-se a CALF e manda-se os empregados de barco para outra ilha. Até às fábricas da Terceira ou São Miguel a viagem decerto não custa nada...

5 comentários:

geocrusoe disse...

Não gostei nada desta ironia, até porque me dói ver o que se passa com a CALF.
Mas uma coisa é certa, alguém tem ideias de como segurar o produtores de leite no sector ou cativar os da carne para o leite, tendo em conta que a produção de carne necessita de muito menos trabalho diário?
Só conheço uma, tornar o sector leiteiro suficientemente rentável para voltar a ser apetecível.
Como? Voltamos ao busílis da questão, ou a CALF produz algo que tenha importantes mais valias e procura assegurada para que o preço suba no produtor.

A ilha dentro de mim disse...

Acho que nos dói a todos. Daí a ironia, ou humor negro, que é meramente provocatório...

Aparentemente, o sector do leite é rentável para alguns e não será por acaso que não é para outros. A pequena produção sempre estará em desvantagem se não vencer pela qualidade, mas isso não basta. A publicidade e a divulgação, entre outras, têm também um papel fundamental.

O queijo Ilha Azul, tal como o queijo de São Jorge e o de São João do Pico são produtos originais, que valem por si. Mas as cópias que inundaram o mercado sem dúvida que fizeram mossa. Não será por acaso que o chamado "Queijo da ilha" é mais conhecido no continente do que o verdadeiro "Queijo de São Jorge". E quem não conhece a diferença, obviamente que escolhe o mais barato.

De qualquer modo, soluções existem para quem as procura. Mas será que os responsáveis pela CALF estão interessados nelas? Será que se preocupam minimamente com os efeitos devastadores que o descarrilar daquela unidade poderá ter na ilha? Os da COFACO, como se viu, não estavam... E não foi por falta de avisos.

César disse...

Realmente é uma situação que não lembra ao "Diabo".Onde será que tudo isto vai parar?
Espero que haja soluções,ou então, caminhamos a passos largos para o abismo.

geocrusoe disse...

Levantaste uma suspeita sobre os responsáveis da CALF que eu nem quero pensar...

João disse...

A realidade é dura. Quuando se destinou fazer aumentar aquela estrutura (CALF) já havia conhecimento que mais cedo ou mais tarde, as quotas acabavam. Mas teimou-se em continuar porque dava votos.Realmente deu votos, mas acabou neste fim triste.
Não vale a apena,agora, esconder a cabeça na areia.
Será que tudo foi bem negociado? Refiro-me as quotas.
Foi um sonho que muitos ainda não acordaram bem.
É triste, mas é real.
SM