terça-feira, 7 de abril de 2009

Moinhos de esperança



O país que é hoje de parques eólicos, já o foi de moinhos. Nos Açores, também há exemplos dessa tradição artesanal, que sustentou famílias e alimentou muitas bocas. Hoje, que se celebra o Dia Nacional dos Moinhos, é tempo de homenagear essas estruturas centenárias. Mais do que isso, é tempo de repensar o seu lugar entre nós. Porque o legado histórico que representam merece mais do que um postal para turista ver.


4 comentários:

tomas disse...

as energias alternativas
são uma bandeira
e não uma realidade

os moinhos também
recuperam-se para mostrar
e não para utilizar

A ilha dentro de mim disse...

Tomás:

É verdade que são uma bandeira, mas também uma realidade crescente, sobretudo nos Açores, onde uma boa parte da energia consumida pela população é fruto das energias alternativas, nomeadamente eólica e geotérmica. Nesta área a região tem sido pioneira e já com resultados visíveis.

og disse...

acreditem que os moinhos ainda nos vão fazer muita falta! Mesmo as nossas hortas que abandonámos. O tempo da energia barata já lá vai e nós como ilhéus vamos sentir isso na pele cada vez mais. Preparem-se!

A ilha dentro de mim disse...

og:

Tens toda a razão e esta crise já nos começou a mostrar isso. Quanto a mim, faço o que posso no curto espaço que tenho à minha volta. Por isso, à falta de um quintal para uma horta a sério, instalei um pequeno jardim de plantas aromáticas na varanda. Melhor que nada...