quinta-feira, 23 de abril de 2009

Almas de papel




Amo os livros como se fossem gente.
Pedaços de vidas sentidas, sofridas,
geradas com a pena do talento criado.
Amo os livros porque desvendam segredos,
pesados, contidos, espremidos a dedo.
Amo os livros porque revelam as almas,
de quem escreve e de quem lê,
de quem sou ou quero ser.

9 comentários:

geocrusoe disse...

fui ao mar buscar laranjas é um dos livros que tenho procurado e não o encontrei... talvez até já tenha tropeçado nele, mas não quando o buscava.

Jose Augusto Soares disse...

Belo texto!
Penso exactamente o mesmo.

A ilha dentro de mim disse...

Encontrei-o numa Feira do Livro da Semana do Mar, também após uma longa busca. É pena que se continue a tratar tão mal os grandes autores açorianos...

Bia Alegria disse...

Curioso texto!
Também vejo os livros (um pouco) assim. Acho que têm vida própria e nos transportam para lugares bonitos, estranhos, fantásticos ou simplesmente à alma!
Bom fim de semana!

geocrusoe disse...

já encontrei o livro que mencionastes no teu comentário no meu blog... obrigado, ter-me-ia passado ao lado.

chansonnette disse...

Os livros indomáveis protagonistas.
Os livros protagonistas de excessos.
Os livros contadores de indomáveis excessos.

Os livros e as histórias que narram, as histórias que guardam. Os livros que o tempo guarda.
As estórias, as histórias, a História.
Os livros, companheiros das minhas amplitudes térmicas e sazonais, termómetros das minhas emoções, espectadores das minhas indocilidades e fragilidades.

Os livros das horas que demoram, das que fluem, das que se escoam.
Os que gosto, os que tolero, os que não reprovo.
Os que leio, os que abandono, os que devoro.
Os que saboreio. E retomo.

Os livros que me distraem, os livros em que me distraio, os livros em que me abstraio.

Os livros onde me descubro, me revejo, me reencontro, me recupero.
O papel, a tinta, o cheiro, a cor.
Os livros... com que e onde me (re)concílio. Sempre.

chansonnette disse...

Correcção :)

Os que gosto, os que tolero, os que reprovo.


Bom fim de semana.

João Barbosa disse...

gostei!

A ilha dentro de mim disse...

Obrigado a todos. De facto, os livros despertam o melhor que há em nós, como também prova este comentário da Chansonnette. Continuemos, portanto, a amá-los incondicionalmente.

Geocrusoe,
Ainda bem que pude ser útil.