terça-feira, 6 de outubro de 2009

ilha



«a ilha ao fundo funda saudade
que emerge do horizonte.
azulíneos os gestos do pincel
sedimental as águas
de míticas inquietações.

ninguém sabe que peixes
habitam no mar.
se há nevoeiro dom sebastião não vem.
o céu único infinito que passa
pela janela da casa de janville.

no peitoril os calos dos cotovelos do silêncio.»

Álamo Oliveira, in «antónio - porta-te como uma flor»


Foto: LBulcão

2 comentários:

geocrusoe disse...

Não conhecia o texto, mas é bonito e sobretudo bom ter a Lídia Bulcão de volta ao activo

A ilha dentro de mim disse...

Descobri-o numa das pérola que aquiri este Verão na Feira do Leivro da Semana do Mar. E custou apenas 1,5€... Quanto ao regresso, sim, agora estarei por cá mais frequentemente, já que não posso estar por aí...