quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Dias que amanhecem cansados




Há dias que nascem turvos,
como se a névoa que os compõe
fosse um bolo de coisas duras e pesadas,
impossíveis de ultrapassar.

Há dias que amanhecem cansados,
cheios de coisa nenhuma
e a transbordar de existências passadas.

Há dias que não deviam existir,
porque o passado das coisas
e as vidas que já não existem
só servem para nos atormentar.

Lídia Bulcão



7 comentários:

geocrusoe disse...

Parece que não só o país está a passar dias difíceis. Ao menos mantém a esperança em dias melhores para ti, já para o país... isto está mesmo complicado

A ilha dentro de mim disse...

Bem, isto não foi escrito hoje, mas como estou por entre uma tarefa de hércules que não me deixa tempo para escrever outras coisas, apeteceu-me publicá-lo. Até porque encaixa que nem uma luva no estado de espírito colectivo... eheh!

Jose Augusto Soares disse...

"porque o passado das coisas
e as vidas que já não existem
só servem para nos atormentar."

Não concordo.
Bem pelo contrário.

A ilha dentro de mim disse...

Caro José Augusto,

Não são todas as vidas, nem todos os dias. Mas acho que quase todos já nos sentimos algum dia assim...

Eliane F.C.Lima disse...

Querida Lídia,
Venho eu de novo do Brasil ler seus poemas e comentários. Felizmente, por aqui, está a maior paz, fora o calor do Rio de Janeiro, que, segundo os especialistas, atingiu temperaturas mais altas que o Saara. E olhe que nós cariocas já temos temperamento normalmente quente.
Há realmente dias que nascem muito parecidos com o que nos vai na alma e a gente não sabe se repara neles ou em si E não sabemos, ainda, se o passado veio ou se nós fomos lá, procurando os que se foram.
O que compensa é que, depois do presente, vem um outro presente, que nós chamamos de futuro.
Um abraço forte,
Eliane F.C.Lima (Poema vivo)

Anónimo disse...

Lidia:
Há dias e são muitos dias que vamos somando no nosso dia a dia.
Uns são maravilhosos e outros assim e assim.
Curiosamente só recordamos os maus e esquecemo-nos dos bons.
Põe a render a tua juventude, porque os maus que te desmoralizam ainda estão para vir.
UM BOM CARNAVAL, porque amanhã é outro dia.
Um abraço
SM+

RD disse...

Põe a render a tua juventude... excelente anseio!
Pois por cá tem havido dias de bruma que tendem a não nos deixar, contudo, até esses não os podemos perder - pois não voltam!

A propósito e porque é um dos meus preferidos de sempre:

"HOMENAGEM A RICARDO REIS"
(Fernando Pessoa)

Não creias, Lídia que nenhum estio
Por nós perdido possa regressar
Oferecendo a flor
Que adiámos colher

Cada dia te é dado uma só vez
E no redondo circulo da noite
Não existe piedade
Para aquele que hesita.

Mais tarde será tarde e já é tarde
O tempo apaga tudo menos esse
Longo e indelével rasto
Que o não vivido deixa.

Não creias na demora em que te medes
Jamais se detém kronos cujo passo
Vai sempre mais á frente
Do que o teu próprio passo.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Beijinho com um raiozinho de SOL!